Ser Autor Home Favoritos Feed


segunda-feira, 2 de março de 2009

Venenos de Deus remédios do Diabo

Sinopse: "O jovem médico português Sidónio Rosa, perdido de amores pela mulata moçambicana Deolinda, que conheceu em Lisboa num congresso médico, deslocou-se como cooperante para Moçambique em busca da sua amada. Em Vila Cacimba, onde encontra os pais dela, espera pacientemente que ela regresse do estágio que está a frequentar algures. Mas regressará ela algum dia? Entretanto vão-se-lhe revelando, por entre a névoa que a cobre, os segredos e mistérios, as histórias não contadas de Vila Cacimba – a família dos Sozinhos, Munda e Bartolomeu, o velho marinheiro, o administrador, Suacelência e a sua Esposinha, a Misteriosa mensageira do vestido cinzento espalhando as flores do esquecimento."

Quando comprei este livro foi essencialmente pela sua capa e pelo seu título controverso, não tinha lido nada que me despertasse a atenção para o adquirir.
Comprei-o simplesmente...

De início, achei a história estranha, demorei algumas páginas até entrar dentro do texto... mas a verdade é que em poucas horas li o romance todo.

A partir do meio do livro, os acontecimentos sucedem-se surpreendentemente. Não estavam certamente na minha lista de eventos possíveis ou plausíveis. Agradou-me sobretudo por esse aspecto, a imprevisibilidade que surge nos últimos capítulos. Existem para nós leitores assíduos, histórias que, com mais ou menos rigor conseguimos, sem desvalorizar nenhum livro, antecipar os factos ou as reacções das personagens.

Para quem quer ser surpreendido, leia este livro; não é um dos meus favoritos, não foi paixão, mas dou-lhe crédito por me ter surpreendido com uma história de amor deveras "estranha".

"Uma coisa aprendi na vida. Quem tem medo da infelicidade nunca chega a ser feliz." p.35

"Riem-se. Rir junto é melhor que falar a mesma língua. Ou talvez o riso seja uma língua anterior que fomos perdendo à medida que o mundo foi deixando de ser nosso." p. 113

"Talvez seja a espessura desse céu que faz os cacimbeiros sonharem tanto. Sonhar é um modo de mentir à vida, uma vingança contra um destino que é sempre tardio e pouco." p.155
Também publicado na Floresta das Leituras

2 comentários:

Nocturna disse...

Excelente este romance«Venenos de Deus Remédio do Diabo» de Mia Couto. Venho acompanhando a obra deste escritor moçambicano desde "Vozes Anoitecidas" que, suponho, é o seu primeiro livro publicado em Portugal e, de livro para livro a sua escrita tem atingido altos níveis de perfeição, sem nunca deixar de nos trazer o mistério o e maravilhamento de África. Embora tenha publicado apenas dois livros de poesia, ela está lá sempre presente na sua prosa. O mesmo acontece neste seu último romance onde a par do misticismo próprio de certas regiões africanas, está essa coisa primordial ,que é a procura do amor. Livro de mentira e mentiras.
Imperdível, como todos os livros do autor.
Vamos aguardar com impaciência, o próximo.
Um abraço nocturno

the-door-to-my-imaginarium disse...

"Uma coisa aprendi na vida. Quem tem medo da infelicidade nunca chega a ser feliz."

já tenho visto este livro, mas não sei porque nunca me entusiasmou a leitura, agora porém talvez entre na lista "que nunca mais acaba" dos livros que quero ler lol

Postar um comentário

Blog Widget by LinkWithin